quarta-feira, novembro 30, 2005

Bodhidharma


Bodhidharma foi o 28º patriarca da Budismo Zen. O nosso conhecimento da vida deste monge provém de duas fontes: uma é o documento mais primitivo sobre ele, o Tao Hsuan (biografias dos altos sacerdotes, compiladas no começo da dinastia T’ang em 654 da nossa era); a outra fonte é o registro da Transmissão da Lâmpada em 1004, também da nossa era, compilada por Tao Yan no começo da dinastia Sung.

Bodhidharma, o monge da lei, foi o terceiro filho de um grande rei brahman da Índia. Como a sua ambição era dominar a doutrina da Mahayana, abandonou as vestes brancas de leigo e começou a usar o manto negro monástico, desejando cultivar as sementes da santidade. Praticou a contemplação e a tranquilidade; soube bem qual era o significado dos assuntos mundanos.

Era tranquilo por dentro e por fora. Durante nove anos, o mestre Bodhidharma esteve no mosteiro de Shaolin, ensinando a teologia budista. Percebendo que os monges não suportavam a rigorosa disciplina com longas práticas de meditação e estudo, resolveu transmitir-lhes os dezoito movimentos básicos para a conservação da energia e restauração da saúde, dos quais, ao fim de vários anos, surgiram os 365 estilos diferentes do Boxe Chinês, chamado Boxe do Mosteiro de Shaolin.

Ao fim de vários anos de contínuos ensinamentos, desejou voltar ao seu país de origem. Convocou os seus discípulos e disse:
- “Chegou o tempo da minha partida e quero ver quais são as vossas conquistas”.
- “Segundo o meu parecer”, disse Tao Fu, “a verdade está acima da afirmação e da negação, pois este é o sentido no qual se move”.
- “Obtiveste a minha pele”, disse Daruma.
Em seguida, aproximou-se do monge Tsung Ch’hi que disse:
- “Como eu entendo, parece-se com a visão de Amanda a respeito da terra de Akshobhya. Vai-se uma vez e jamais novamente”.
- “Obtiveste a minha carne”, disse Daruma.
Tao Yu foi outro discípulo que expôs a sua opinião:
- “Os quatro elementos estão vazios e os cinco skandas não existem segundo o meu parecer, não há coisa alguma captável como real”.
- “Obtiveste as minhas entranhas”, disse Daruma.
Por último, Hui-K’ei, inclinando-se reverentemente diante do mestre , manteve-se em pé, no seu lugar, sem nada dizer.
Então, Daruma disse:
- “Obtiveste a minha medula”.

O mistério envolve o fim da vida de Bodhidharma na China; não se sabe como, quando e onde desapareceu da terra. Porém, tanto na China como no Japão e na Índia, concordam que era muito velho, superando os 150 anos de idade, segundo Tao Hsuan.

Alguns citam Bodhidharma como fundador do Karaté. Conhecido como Daruma no idioma Japonês, foi o fundador do Budismo da Contemplação, mais conhecido como Budismo Zen. Pensa-se que foi quando pregava a sua doutrina no Mosteiro de Shaolin, precisamente na província de Honan na China, que nasceu o Zen, bem como também o Shaolin Su Kempo. Ensinava o que pensava ser o ideal para a saúde, e dizia ser a união do corpo com a alma algo indivisível, para chegarmos à verdade e à paz interior.

Fontes de Pesquisa:
SOARES, JOSÉ GRÁCIO GOMES (1998). Teoria e Prática do Karatê-Dô Wado-Ryu, São Paulo: Ícone